Da necessidade de um novo movimento espírita

137

Imagina então para os espíritas, de forma geral, que viveram para ver que aquela figura que parecia tão simpática na casa espírita, que dava passes de olhinhos fechados e conversava com os “irmãozinhos infelizes” na mediúnica enaltece a tortura, faz “arminha” com as mãos, difunde mentiras e preconceitos na internet e apoia o crime organizado. Um horror, um horror.

Por isso que esse movimento espírita fascista e reacionário já deu o que tinha para dar. Essas instituições faliram em suas propostas originais e tornaram-se apenas um arremedo daquilo que ensina o espiritismo.

E um novo movimento surge, vigoroso e pujante, para buscar propagar valores de fraternidade e justiça social propostos pelos ensinos de Jesus e dos espíritos que auxiliaram Kardec.

É o processo dialético da vida e das relações humanas: a velha estrutura precisa ruir com seus problemas e incoerências e dela, então, surgir uma nova realidade.

Publicado no Facebook em 11 de agosto de 2020

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui