Em torno de um “Espiritismo da Libertação”

36

Gostaria de frisar as enormes “afinidades eletivas” entre a Teologia da Libertação (entendida como momento reflexivo do Cristianismo de Libertação) e a compreensão do cristianismo abraçada, de um modo ou de outro, por um espiritismo progressista.

Poder-se-ia dizer que ambos –a Teologia da Libertação e o Espiritismo Progressista– apostam numa construção societária inspirada na ética comunista do cristianismo primitivo, tal como descrito, por exemplo, nos Atos (2:44-45): “Todos os fiéis viviam unidos e tinham tudo em comum. Vendiam as suas propriedades e os seus bens, e dividiam-nos por todos, segundo a necessidade de cada um.”

Por outro lado, é inspirador para os espíritas progressistas acusar nos escritos dos teólogos da libertação e na prática das comunidades eclesiais de base, uma compreensão da vivência da espiritualidade como necessariamente relacionada à transformação do “pecado estrutural” do capitalismo, produtor de injustiças sociais (lembrando que disso derivaram, por exemplo, o MST e o PT).

Eis o horizonte inspirador de um espiritismo que se quer progressista e, nisso, assume como tarefa buscar um modo de relacionamento mutuamente emancipador com as camadas populares de trabalhadores e trabalhadoras, superando o já tão criticado “assistencialismo” do movimento espírita tradicional e mesmo seu elitismo cultural.

Enfim, por aí vai-se longe.

Mas por último gostaria de frisar outro ponto importante: é que o espírito ecumênico que vigora no Cristianismo de Libertação deve contar com a participação cada vez mais decidida do contingente espírita, pois parece que, assim como aposta Leonardo Boff, Kardec e outros, a via da religião do futuro será o ecumenismo e, nisso, a presença do espiritismo prestaria um contributo fundamental ao mesmo passo que, dialogicamente, se enriqueceria com a experiência das outras denominações cristãs, todas ativamente engajadas na produção de uma sociedade de justiça, pós-capitalista.

Assim sendo, sem querer apostar muito ou lutar por conceitos, mas gostando de fazê-lo em nome mesmo da festa criadora da escrita, pode-se despontar um “Espiritismo da Libertação”, fruto dessa lufada de ares novos hoje possível graças à des-graça da situação sociopolítica brasileira (e mundial!) em que caímos nos últimos anos.

Por Tovar Júnior

Publicado no Facebook em 05 de agosto de 2020

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui