Espiritismo sem templo, é possível vivenciar?

186
Cropped shot of a group of friends holding hands

“A derrocada humanitária demonstrada no cerne do Movimento Espírita brasileiro desde a campanha eleitoral para a presidência da República, induziu diversas pessoas ao abandono da vivência espírita em centros aos quais se agregavam e trabalhavam coletivamente, por não suportarem o contrassenso de contemplarem dirigentes e palestrantes, apoiarem Jair Bolsonaro, o destruidor das referências críticas.

Esta vivência também perpassou meu caminhar. Também não consegui amenizar os efeitos da decepção, e externei em escrita, neste blog.

Foi aí, nesta abertura de voz, que conheci o teor vibratório de muitas pessoas que se dizem espíritas e mesmo assim são agressivas, ou seja, estavam apoiando a campanha das armas por afinidade. Aprendi a lidar com os comentários violentos que vieram e tornei-me estudiosa não apenas aos moldes tradicionais, pois incluí estes comportamentos em minha plataforma analítica, razão pela qual escrevo sobre o tema.

[…]

Em um texto intitulado ‘Espíritas pegarão em armas para defender Bolsonaro?’ recebi a seguinte resposta de um expositor: ‘Espíritas pegam em armas para defesa do Brasil’. Ninguém no grupo se espantou com tal declaração. Parecia encaixada na atmosfera. Vendo tal situação, como poderemos aconselhar uma pessoa que não coaduna com estas concepções a permanecerem nestas casas?

Fixação em condenar Lula e o uso de adjetivos impróprios, principalmente após as revelações trazidas a público nos últimos dias sobre a Lava-Jato mostrando que a divisão existe, está mantida e os espíritas bolsonaristas ficaram com os espaços físicos sob seu comando na maioria das situações.

Claro que não ocorre assim por todos os cantos do Brasil, pois ainda existem as casas espíritas sob liderança do bom senso, verdadeiros pontos de luz mostrando que ainda há razão no Movimento Espírita que atua no país. Mesmo assim o número dos espíritas sem templos onde possam encontrar espaços de estudos, trabalhos e vivências edificantes, é grande.

O que estará por acontecer neste Brasil, com vistas aos espíritas progressistas?

Se podemos nos reunir online para debates, estudos e acolhimento mútuo, o presencial poderá ser suprimido?

Quem são os donos das casas espíritas, afinal?”

Por Ana Claudia Laurindo, publicado em 17 de julho de 2019 na Página “Repórter Nordeste“.

 

 

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui