A espiritualidade ancestral é a história de nossas lutas

4064
umbanda

Gastão Cassel – EàE/SC

São frequentes os relatos de sessões mediúnicas, seja no kardecismo, na umbanda, no candomblé ou outras denominações, que têm presença importante de antigos escravizados (geralmente chamados de pretos velhos) e indígenas de diversos povos. E faz todo sentido que assim seja, pois cronologicamente foram os que nos antecederam, são o passado recente da história de nossas cidades, estados e país.

Por incrível que pareça, tais espíritos muitas vezes são recebidos com preconceitos e estigmatizados como primitivos, culturalmente inferiores e até “selvagens”. O preconceito é decorrente da visão colonialista e elitista que pressupõem como “elevada” a cultura proveniente da Europa.

Se nos despirmos do olhar colonialista, veremos que todos esses povos originários tinham rituais e práticas espirituais elevadas, relações estreitas com suas divindades e conjuntos de experiências culturais e éticas impressionantes. Mas o olhar colonial prefere ver a diferença como estranheza e primitivismo.

Espaços como o Museu de Arte Pré-Colombiana, em Santiago, no Chile, são fartos em demonstrar que os povos nativos do continente tinham enorme produção cultural e práticas místicas e religiosas profundas e complexas, bem como sociedades com níveis de organização elevados. Povos que construíram, por exemplo, Machu Picchu, não podem ser considerados primitivos, a não ser pelo preconceito que vê virtude nos invasores que devastaram gentes e culturas em toda a América.

Muitos desses povos desencarnados hoje dão sustentação espiritual a casas espíritas, são suportes indispensáveis à egrégora que conduz o trabalho de amparo à saúde. São espíritos comprometidos com o próximo, com o auxílio e a compaixão. São os povos originários que já foram maioria nessas terras e que trazem do plano espiritual muitos ensinamentos que revelam o quão evoluídos eram espiritualmente, não obstante seu sofrimento aqui na Terra, promovido pelos colonizadores que empunhavam armas e cruzes.

Da mesma forma os escravizados representaram um enorme percentual da população que nos antecedeu. Essa população negra trouxe legados espirituais importantíssimos das culturas africanas, inclusive muçulmanas. Jamais renunciaram a suas práticas espirituais e culturais, mesmo que forçados a um sincretismo que, como disse a canção, é “tanto resistência como rendição”.

O relacionamento com estes povos desencarnados exige de nós a compreensão da experiência terrena que tais povos tiveram. Na maior parte dos casos são histórias trágicas e violentas. A crueldade física e cultural a que foram submetidos os povos de origem africana escravizados no Brasil não pode ser relevada. Tão pouco os incontáveis massacres e dizimações de nações indígenas em toda a extensão do continente americano podem ser esquecidos.

Os espíritos que hoje nos amparam viveram a crueldade na carne, e o mínimo que podemos e devemos fazer para respeitá-los e honrá-los é reconhecer a sua trajetória de dor e opressão. É verdade que espíritos não têm cor ou etnia, mas são constituídos e informados pelas suas experiências terrenas, pelo que aqui viveram, de forma que a lástima aqui sofrida os constitui de forma absoluta.

Os chamados Pretos Velhos carregam ancestralidades africanas e práticas religiosas que precisavam ser escondidas no fundo das senzalas, ou manifestar-se abertamente nos quilombos libertários. Os indígenas foram – e ainda são – impiedosamente perseguidos e exterminados, algumas culturas completamente dizimadas. Tudo em nome da imposição de religiões e culturas tidas como “superiores” que se apresentavam em nome de Deus.

Mais sagrado do que qualquer divindade é o direito que todas as pessoas têm de cultuar a sua. As práticas místicas dos povos originários são plenamente legítimas como todas as outras crenças não cristãs, como o budismo, o judaísmo, o islamismo, hinduísmo e tantas outras.

O relacionamento com esta espiritualidade ancestral precisa partir do respeito aos que viveram aqui na Terra e agradecimento aos ensinamentos que podem nos oferecer em todas as dimensões. A celebração dessa espiritualidade ancestral precisa começar pelo reconhecimento de sua manifestação por meio dos povos originários remanescentes, pelo respeito à sua cultura, incluindo religiosidade e territórios. A espiritualidade indígena, além de resgatar traços históricos e culturais de sua sociedade, também nos remete à sua prática ritual que, através da rememoração dos mitos, fortalece a espiritualidade ancestral. Além do que, sua natureza telúrica aponta para um relacionamento profundo com a natureza e a preservação do Planeta.

A prática do bem não é monopólio de nenhuma denominação religiosa, de nenhuma etnia, de nenhuma cultura, de nenhuma “civilização”. A prática da fraternidade, da solidariedade, da amorosidade, da compaixão são e devem ser universais. “Amai-vos uns aos outros” não faz nenhuma distinção. Há inúmeras palavras que significam Deus, com as mais diversas feições. “Sons diferentes para sonhos iguais”, disse um poeta.

Homenagear a espiritualidade ancestral é defender aqui no presente os direitos dos povos originários que continuam sob ameaças colonizadoras incrementadas por interesses econômicos. É combater a herança maldita da escravidão, que se tornou o racismo estrutural de nossos dias.

Os escravizados da América, os originários Yanomamis, Charruas, Quechuas, Incas, Mapuches, Guaranys, Teguelches, Tamoios, Tupis, Xoclengs e todos os povos originários da América estão em nós, entre nós e conosco. Saibamos honrá-los, respeitá-los e preservá-los.

6 COMENTÁRIOS

  1. Quem esta escravizando hoje no Brasil é a elite brasileira Dos Yanomamis na Amazônia a Bento Gonçalves. A elite escraviza mata e reduz a po os sonhos de uma nação fraterna.

  2. Não vi o sr. Divaldo Franco emitir nenhuma nota em defesa dos trabalhadores baianos escravizados nas Vinícolas do Rio Grande do Sul, bem como ao escândalo das joias. Que tipo de ESPIRITISMO que ele pratica?

  3. Jesus foi simples em seus ensinamentos, nos dando a Lei maior “Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo.”, Mas como temos dificuldade em compreender e praticar essa lei! Mas um ponto de partida é o respeito, respeitar quem tem uma opinião divergente, estamos em constante evolução, o que é considerado normal hoje, amanhã não será.
    Combatamos as ideias e não as pessoas, somos todos suscetível ao erro, que saibamos agir com fraternidade e empatia, haja visto que não somos donos da verdade, lembrando o Mestre “Meu reino não é deste mundo”, que possamos unir esforços para que o reino do amado Mestre seja deste mundo.
    Abraços fraterno.

  4. Artigo claro e objetivo na condução dos nossos ancestrais.
    Falta nos clarareza em nós de Onde Viemos?
    Quem somos nós?

    Afinal é esta a busca quando caminhamos com a Espiritualidade

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui