Comunismo e nazismo são opostos. Os comunistas guardam sonhos!

176
lenin espiritas
Lenin, líder da Revolução Russa de 1917.

Nesses estranhos e sombrios tempos, em que algozes pouco elaborados da própria esquerda tentam manchar a trajetória de Lênin, o artigo da deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ) vem trazer um pouco de luz e seriedade ao debate.

Publicado no Facebook em 25/1/2020.

lenin espiritas
Lenin, líder da Revolução Russa de 1917.

Comunismo e nazismo são opostos. Os comunistas guardam sonhos!

Talíria Petrone – Deputada federal do PSOL-RJ

Muita confusão e mentira no debate sobre Lênin e a Revolução Russa. Resolvemos elevar o nível da discussão. Hitler era de direita, anticomunista. As direitas, para fugir dessa ligação, tentam igualar comunismo e nazismo, quando são justamente opostos.

A Revolução Russa não é obra de um só homem. Foi um acontecimento histórico que marcou o século XX. A Rússia concentrava enormes contradições. Mantinha um regime absolutista com um czar, se industrializava e criava uma classe operária e uma enorme massa de camponeses famintos.

Em fevereiro de 1905, após a reação ao massacre de manifestação pacífica (domingo sangrento), o czar faz concessões. Instala um parlamento (Duma), permite partidos e põe fim à guerra com o Japão. Surgem os sovietes (conselhos populares). Estava plantada a semente da revolução.

Em 1914 a Rússia entra na I Guerra Mundial, perde metade das tropas e a fome se alastra. Declarada a guerra, a maioria do movimento socialista internacional adere ao nacionalismo e à guerra. Rosa Luxemburgo, Lênin, Alexandra Kollontai, Trótski e outros se mantêm contra a guerra.

Em fevereiro de 1917 eclode a Revolução na Rússia. A greve das mulheres tecelãs foi o estopim para o que foi chamada de Revolução de Fevereiro. Os soldados se recusam a reprimir as manifestações e no final de fevereiro um mar de trabalhadores e soldados ocupam a Duma.

Sem apoio, o czar é substituído por um governo provisório, liberal-burguês, que mantém o país na guerra. Do outro lado, os sovietes passam a se considerar o poder legítimo que emana do povo, forma uma Guarda Vermelha e emite ordens para as tropas. Vigora uma dualidade de poderes.

Lênin volta à Rússia do exílio com as ‘Teses de abril’, defendendo todo poder para os sovietes e como lema: ‘PAZ, PÃO E TERRA’. Em outubro, as teses de Lênin se tornam majoritárias e no dia 25 um grande movimento cerca a capital e o governo provisório cai, com pouquíssimas baixas.

As primeiras medidas foram o controle das fábricas pelos operários em regime de autogestão, a divulgação de todos os tratados secretos, a distribuição de terras aos camponeses, o pedido imediato de paz e o armistício, a declaração dos direitos nacionais dos povos minoritários.

As mulheres da Revolução foram responsáveis por inúmeros avanços na igualdade de gênero do país. Em 17, foi decretada a igualdade entre todos os cidadãos, o divórcio foi legalizado e mulheres tiveram o direito à terra. A Rússia foi o primeiro país do mundo a legalizar o aborto.

A Revolução era emancipatória, aprofundava liberdades existentes e criava outras. O congresso dos sovietes, após a Revolução, talvez seja o parlamento mais democrático da história. No livro ‘O estado e a revolução’, escrito em 1917, Lênin mira o fim do estado e a democracia plena.

A Revolução foi cercada pela aliança das potências capitalistas, os czaristas e latifundiários: o Exército Branco. Começa a guerra civil, milhares de pessoas morrem de ambos os lados. O Exército Vermelho, liderado por Trótski, vence e abre caminho para a República dos Sovietes.

Há erros na trajetória de Lênin e Trótski? Claro. Houve episódios de violência excessiva, Trótski iria reconhecer que sim, mais tarde. Mas é mentira o massacre de milhões, os confrontos principais eram episódios de guerra, que lamentavelmente a resistência czarista impôs ao país.

Muita gente fez confusão de Lênin com Stálin. Lênin morreu em 1924, não existiam gulags, por exemplo. A partir de 1926 cria-se uma Oposição Unificada no Partido Comunista da URSS, em que participava Krupskaia, companheira de Lênin, contestando a direção de Stálin.

Eu sou da IV Internacional, fundada em 1938. Stálin fecharia a III Internacional, de Rosa e Lênin, em 1942 para entrar na II Guerra. Em 1956, revelaram-se os expurgos e execuções ocorridos nos anos 30. A revolução foi traída e todo o comitê central bolchevique assassinado.

Pra quem quiser conhecer um pouco mais, sugiro a leitura de ‘Os dez dias que abalaram o mundo’ do jornalista estadunidense John Reed. Há também o filme ‘Reds’, que concorreu a três Oscar, incluindo o de melhor filme, que conta um pouco da vivência desse jornalista na Revolução.

Absurdo comparar Lênin a Hitler. Lênin está na história por declarar a paz, Hitler pela guerra. Lênin pelas obras de política e filosofia, Hitler pelo panfleto antissemita. Não faz sentido comparar a URSS com a Alemanha Nazista, pois foram os soviéticos que derrotaram o nazismo.

Homenagear Lênin não é culto à personalidade, ele repudiava isso. Seguimos o pedido de Krupskaia, sua companheira, em seu velório: ‘não deixem que o luto por Ilítch se transforme em veneração exterior à sua pessoa. Ele dava muito pouca importância pra tudo isso em vida’.

Sou militante ecossocialista. Lênin e a Revolução Russa ocupam lugar especial na tradição dos que lutam pela revolução da liberdade, igualdade, justiça e paz. Não aceitaremos a narrativa que criminaliza o comunismo. ‘Os comunistas guardam sonhos’. Os comunistas enxotam fascistas.”

A PUBLICAÇÃO ORIGINAL ESTÁ AQUI.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui