Dignidade Menstrual: o sangue ainda sangra

375

COLUNA – Feminismos com Paula Lau (EàE-RS)
colaboraram Elizabeth Hernandes (EàE-DF) e Mariela Bier (EàE-RS)

A misoginia nunca esteve tão explícita. No mais poderoso cargo político do país e nas decisões perversas de um judiciário estruturado a partir do patriarcado (que inocenta estupradores sistematicamente, matando compulsivamente as mulheres várias vezes em uma mesma ‘vida’).

Ao mesmo tempo em que todas estas aberrações contra a vida de quem gera vidas acontecem (lembrem, lembrem sempre: todas, todos e todes chegamos à Terra pelo ventre de uma mulher), nunca estivemos tão fortes, unidas e conscientes, além de termos ferramentas de comunicação e decisões potentes em mãos (mesmo que os algoritmos, também criados pelo machismo estrutural, teimem em tentar nos silenciar).

Estamos ruindo esta estrutura ultrapassada, violenta e letal por dentro. Não tem mais volta. A vida prevalecerá, afinal, nossa luta é regida pela potência de nossos úteros, machucados e adoecidos por esta estrutura forjada pela masculinidade frágil, descompensada e desconectada do amor e do afeto que tenta, de toda e qualquer forma mais perversa se manter, ao mesmo tempo e proporção em que se esvai.

É uma questão de tempo, de ação agora, firme e urgente para tentar reduzir o número de vidas ceifadas pelo modus operandis do ‘patriarcapital’.

E nós aqui, seguimos sonhando com o dia em que as políticas públicas proporcionarão possibilidades para que todas nós façamos uso dos nossos absorventes de pano com dignidade, tranquilidade e afeto. A vida prevalecerá.

Menstruação foi (e ainda é) assunto tabu rodeado de dogmas e mitos. Falar sobre educação, higiene e saúde menstrual tem impacto direto na saúde (ginecológica, psicológica, mental, emocional e espiritual) de meninas e mulheres.

Um olhar de acolhimento e informativo por parte da família, da sociedade para com seres menstruantes e suas demandas e necessidades, junto à responsabilização do poder público, são fundamentais, assim como quando falamos sobre educação sexual (outro assunto que seres pervertidos, abusadores, desinformados, pedófilos, misóginos e estupradores abominam).

Ver o ciclo menstrual como um aspecto positivo, de vida, de sabedoria, de saúde, muito além da possibilidade de reprodução, desmistifica, desconectando da ideia de sujeira, impureza, doença, perda e falha, aspectos estes trazidos pela cultura patriarcal para diminuir e fragilizar mulheres e meninas no decorrer dos tempos e que, incutidos em nossa psique, tornaram-se causas de dores, desconfortos e até doenças.

Dignidade menstrual, educação menstrual, distribuição de absorventes em espaços e banheiros públicos e nas escolas é política pública de primeira necessidade em qualquer sociedade minimamente evoluída e deve envolver, além das mulheres e meninas, todas as pessoas. Tudo isto mexe na estrutura da cultura e do sistema vigente, abrindo novas e saudáveis narrativas sobre a menstruação, inclusive compreendendo-se aspectos psicológicos, emocionais e fisiológicos que causam TPMs, enxaquecas, cólicas, miomas, SOPs, candidíase…

Desmistificar a menstruação torna meninas-mulheres mais confiantes e com propriedade sobre o próprio corpo, e meninos-homens mais empáticos e envolvidos com questões de saúde, planejamento familiar, responsabilidade afetiva e sexual.

A falta de acesso a informação, saneamento e produtos para o cuidado menstrual afeta milhões de seres menstruantes no Brasil, física e emocionalmente, fazendo com que corram riscos, desenvolvam baixa autoestima e não aceitação do próprio corpo, tenham problemas e doenças uroginecológicas, parem de ir à escola, tenham suas possibilidades de desenvolvimento limitadas. A quem interessa que isso aconteça senão à manutenção do patriarcado?

O poder público tem a responsabilidade de oferecer meios para que os cuidados sejam viáveis: projetos de lei são uma das formas mais concretas de se realizar essa transformação, desembrutecendo e mudando o ritmo do acontecer das coisas.

É uma questão de humanidade e civilidade derrubar o veto do necropresidente ‘cristão’ defensor da política corrupta da morte em nome de ‘deus’ e contamos com parlamentares capacitadas/capacitados/capacitades para isso.

É questão que afeta todas, todes e todos. A vida das mulheres que menstruam, que não menstruam ou que ainda vão menstruar sofre ameaças todos os dias. Defender a dignidade das mulheres é defender a humanidade.

A vida vai prevalecer.

#essasmulheres #mulher #mulheres #feminismo #filhas #cultura #educação #dignidade #mães #dignidademenstrual #pobrezamenstrual #livreparamenstruar

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui