Nova coluna com Ana Claudia Laurindo

155
Ana Cláudia, nascida em Maceió, nas Alagoas, formou-se em ciências sociais pela UFAL e fez mestrado em educação brasileira na linha "História e Política" também na UFAL. É escritora, com 5 livros já publicados, coordenadora do "Coletivo de Mulheres que Escrevem", em Alagoas, e blogueira no portal Repórter Nordeste.
Ana Cláudia

A página “Espíritas à esquerda” anuncia uma nova coluna periódica de opinião sobre política e espiritismo: agora também teremos regularmente entre nós os textos reflexivos e instigantes da nossa querida Ana Claudia Laurindo

Ana Cláudia, nascida em Maceió, nas Alagoas, formou-se em ciências sociais pela UFAL e fez mestrado em educação brasileira na linha “História e Política” também na UFAL. É escritora, com 5 livros já publicados, coordenadora do “Coletivo de Mulheres que Escrevem”, em Alagoas, e blogueira no portal Repórter Nordeste.

Sua coluna de opinião na nossa página se chamará “Sociologia espírita”. Bem vinda, Ana Cláudia!

—————————————————————-

O tiro que saiu pela culatra: espíritas, arrependei-vos!

A eleição de Jair Bolsonaro para presidente de uma nação que se autodeclara em maioria cristã, sempre foi um indicativo grosseiro de erro.

Movimentos ligados à fé revelaram que existe no Brasil um subcristianismo atuante, algo aquém dos ensinamentos de Jesus Cristo, mas revestido de assepsia social e tradição religiosa, influindo no processo político eleitoral.

Mas para os espíritas em especial, Jair só traz oportunidades de arrependimento!

Desde os primórdios de sua atuação rasteira na política partidária, é defensor da esterilização massiva de mulheres pobres, o que contrasta com tudo o que a doutrina fala sobre reencarnação; para o presidente, a pobreza se combate com a eliminação da figura material da pessoa pobre (de todas as maneiras), para o espiritismo profundo, a pobreza é consequência do egoísmo, a pior chaga da humanidade, portanto, não será inviabilizando os processos reencarnatórios de pobres, que esta terá solução, haja vista, ser consequência, e não causa.

Para a resolução da pobreza, a solução óbvia é a partilha de bens materiais, culturais e espirituais, não a concentração de rendas e oportunidades restritas aos privilegiados. Essa não é uma discussão simplista e as implicações de erros nesta seara podem ser severas.

Além daquela preocupante fila para reencarnar, da qual todos nós já ouvimos falar algum dia…

Mas os desafios para a consciência do espírita não terminam por aqui. Pois as medidas anunciadas com vistas ao armamento da população –plataforma de campanha de Bolsonaro– estão sendo colocadas em prática com a pressa de quem deseja ardentemente controlar a nação pelo derramamento de sangue, como também anunciou em palanques.

Frases como “Matar uns trinta mil” ou “Alguns inocentes irão morrer” foram proferidas pelo agora presidente, quando ainda não era possuidor da faixa presidencial, mas não teve força suficiente para sensibilizar os subcristãos que o elegeram, e a causa desse ímpeto de conivência com a morte alheia é temática para outro texto.

Fato: o desafio cresce para os espíritas a cada ato do presidente!

Kardec foi (e continua sendo) defensor da ciência, tomando como parâmetro de legitimidade para a doutrina espírita o fato científico. E como era de se esperar do pensamento obscurantista de Bolsonaro, medidas de perseguição aos centros de excelência em pesquisas científicas já estão em curso.

Mas a pedra de toque talvez seja o incentivo às crianças e adolescentes praticarem aulas de tiro. Agora liberou. Como não pensar nas orientações espirituais voltadas à civilidade e pacificação de reincidentes na prática de assassinatos, no uso da força, na tortura e correlatos? Nossos atendimentos fraternos terão que reconfigurar seu formato? Agora nossos médiuns se afinarão com os esquemas do país e considerarão esporte preventivo ensinar os infantes a usarem armas de fogo?

Pensem nisso, e assumam a razão frente a frente com a ciência!

Muitas reflexões nós ainda faremos, para dosar o peso destas verdades, e não sufocar o leitor. Contudo, vale desde agora saber: se aquele que parecia ser um mentor, e de algum modo incentivou o voto do espírita em Jair Bolsonaro, sinto informar que se tratava mesmo de um obsessor.

E para erros, arrependimentos! Para redenção, nova ação. Espíritas do Brasil, o progresso vos convida.

Publicado no Facebook em 09 de maio, 2019.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui