Necropolítica é demanda do capitalismo financista

113

Por Gastão Cassel

Necropolítica não é um termo aleatório que serve apenas para denominar o conjunto de maldades e desprezo à vida do governo brasileiro. Tão pouco é um fenômeno local, embora aqui se imponha de forma mais grotesca e cruel do que em outros lugares. A necropolítica é uma demanda do capitalismo de estágio presente de extremo predomínio do capital financeiro, do rentismo, em detrimento do capital industrial.

Vou tentar explicar de forma simples: no capitalismo “clássico” em que a riqueza (e sua acumulação) era produzida pelo trabalho nas fábricas havia sempre o “exército de reserva”, que era o contingente da população que não ocupava lugar nas linhas de produção, os desempregados que precisavam fazer à vida à margem do sistema. Este exército de reserva servia para manter os salários arrochados (“tem gente lá fora querendo teu emprego”) e para assumir o trabalho em momentos de aquecimento da economia.

O avanço da financeirização, do predomínio dos bancos, do dinheiro eletrônico, da riqueza sem lastro de valor efetivo, criou um cenário em que a riqueza se reproduz por si própria pela especulação financeira, prescindindo em larga escala do trabalho fabril. Não se trata de revogar conceitos clássicos como capital e trabalho e sua eterna contradição, mas de compreender um novo estágio do capitalismo.

Este novo estágio não precisa do exército de reserva, pelo menos em grande escala. Surgem então massas de cidadãos “desnecessários”: migrantes, refugiados, aposentados, deficientes, minorias étnicas, povos originários. Gente que, para o capitalismo financista, não tem utilidade, não serve nem para ser explorada. A necropolítica é o mecanismo de extermínio deste excedente incômodo para o sistema rentista. Uma política pública “necessária” para dar seguimento à marcha de acumulação de riqueza por muito poucos.

De alguma forma os movimentos de extrema direita, geralmente militarizados, que pipocam em várias partes do mundo, incluindo o Brasil, chegam para implantar a necropolítica e abrir caminho para uma sociedade “livre” dos “estorvos sociais” que podem custar aos Estados e limitar a concentração de riquezas.

O que assistimos no Brasil na forma de sabotagem à vacinação, liberação da violência policial nas periferias, massacres de indígenas e sucateamento da proteção social não são arroubos de um governo desorientado ou meramente incompetente. São ações deliberadas a serviço de seus financiadores: os rentistas, o mercado financeiro, os bancos e todos os que criticam o governo na sua forma, mas se aproveitam da política econômica que lhes favorece.

Se compreendermos isso, entenderemos com facilidade a conivência de vários setores, especialmente da mídia que blinda o ministro da economia e sua política socialmente nefasta. A necropolítica tem mais adeptos e financiadores do que imagina.

Foto: Photo by Leonardo Yip on Unsplash

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui